Enganando calorias – pinças

Sabem aquelas peças de roupa que nos estão ligeiramente mais justas do que gostaríamos, mas as quais apreciamos tanto que vamos adiando o momento de as dar a quem lhes sirva na perfeição? Aquelas peças em que as calorias – sabem, verdadeiramente, o que são calorias? Uns bichinhos malvados que nos invadem os armários e as gavetas e cosem dia e noite para apertar as nossas roupas! – insistem em transformar?

Ah pois é!…

Há cerca de duas semanas atrás, com a chegada do calor, foi tempo de trocar a roupa mais quente pela mais fresca; no exercício desta tarefa – que, deixem-me dizer-vos, não gosto mesmo nada! -, encontrei umas peças – dois camiseiros lindos, um vermelho escuro e outro verde garrafa – que há muito tempo não uso devido precisamente a um desajuste de tamanhos.

Curiosamente, sempre olhei para ambos na tentativa de encontrar forma de os alargar ligeiramente – de desfazer o trabalho perfeito das calorias, lá está. São umas costureiras exímias, garanto-vos! – mas como não era nada urgente, ia adiando, adiando, adiando…

E é impressionante como há coisas que acontecem na sua devida hora e nunca mais cedo que isso… Não sei se já abordei aqui o que gosto de chamar o shift cerebral que me aconteceu depois de começar o curso de corte e costura. Sempre apreciei os ‘trapos’ mas nunca olhei verdadeiramente para eles. Agora vejo-os como o resultado de um trabalho criativo que vive da junção de diversas técnicas e elementos e aprecio o final de forma muito mais informada. O meu cérebro processa a roupa de forma diferente!

Desta vez, mal peguei nos camiseiros, apercebi-me de uma coisa que sempre esteve lá e à qual eu nunca dera importância – ou então, foi trabalho das calorias nos passados Outono e Inverno! -: as pinças!!! O vermelho tinha duas pinças apenas nas costas, retirei-as; a par disso, para assentar melhor, vou abrir um pouco as costuras laterais e fazer umas pequenas rachas de lado. O verde tinha oito pinças no total – 4 nas costas e 4 à frente -, limitei-me a retirar duas na zona traseira e ficou perfeito.

Se vos acontece algo similar, convém analisar as pinças antes de as desfazer; por vezes, as pinças estão colocadas mais acima ou mais abaixo do que deveriam, tendo em conta a nossa estatura, o que desvirtua completamente a modelagem da peça ao nosso corpo. Como sabem, as peças de roupa feitas industrialmente não têm em conta o indivíduo, e o que fica bem a uma pessoa não ficará necessariamente a outra, ainda que partilham a mesma altura e peso. Outro truque relacionado com as pinças diz respeito à sua largura. Se a peça em causa não beneficia com a retirada deste elemento, podem apenas estreitar a pinça (dica: cosam primeiro e só depois desfaçam a original), ganhando algum tecido e mantendo o aspecto cintado.

As calorias já não me enganam; agora sou eu que as engano a elas! ;O) E isto é só o início…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: